Pedro Malasartes e o urubu adivinho

Esta é aquela história em que Pedro Malasartes se aproveita de uma mulher avarenta e do seu marido ingênuo com um urubu adivinho




Pedro Malasartes é um personagem tradicional dos contos populares do Brasil. É um exemplo clássico de novela picaresca do homem pobre que consegue vencer os poderosos, os orgulhosos e os ricos pela esperteza, inteligência e peripécias.

Mas a origem do personagem não é brasileira. Os contos de suas aventuras são encontrados nos países ibéricos. Em Castela, por exemplo, é chamado de Pedro Udermales, e em Andaluzia, de Pedro Urdes Lamas.

As histórias de Malasartes talvez tenham surgido nesses países pela influência de outros personagens dos contos dos Irmãos Grimm e até das histórias árabes do Nasrudin.

Uma das mais antigas citações do personagem encontra-se em um cancioneiro do século XIII, o “Cancioneiro da Vaticana”, especificamente na cantiga 9418. Desde lá, muitas outras histórias já foram produzidas. Até mesmo o autor de “Dom Quixote”, Miguel de Cervantes, escreveu sobre o Malasartes, no conto “Pedro de Udermales”.

No Brasil, ele chegou pela tradição portuguesa e se popularizou como um personagem caipira, mentiroso e esperto, sempre tirando vantagem sobre os poderosos, os ricos e avarentos. Duas óperas importantes já foram escritas sobre ele, uma de Graça Aranha, e outra de Mário de Andrade. Mazzaropi consolidou o personagem no cinema em “As aventuras de Pedro Malazartes” e até o Renato Aragão já o interpretou.

A história que iremos contar foi adaptada dos livros “Contos Tradicionais do Brasil“, de Câmara Cascudo, e “As 100 Melhores Lendas do Folclore Brasileiro“, de A. S. Franchini.

Pedro Malasartes e o urubu adivinho

Certa vez, Pedro Malasartes caminhava por essas estradas perambulando por cá e por lá, quando encontrou um pobre dum urubu com uma das asas quebradas.

O urubu se batia na areia, pulava e pulava, mas caía sem conseguir voar. Malasartes olhou para a ave e pensou consigo mesmo:

– Não se nega uma ajuda para uma pobre coitada.

Segurou o bicho, agasalhou-o nos braços e continuou sua peregrinação.

Era tarde da noite e o estômago doeu de fome. Viu de longe que numa casinha ali perto uma senhora preparava um fino banquete, com vinho e leitão assado. Chegou perto da casa, bateu na porta e pediu:

– Minha senhora, será que não há nessa casa um pedaço de pão com água para esse pobre coitado?

– Vai te embora daqui, sujeito, e leva essa sua ave, aqui nos falta comida para nós mesmos, quanto mais para a esmola – mentiu a mulher.

– Minha senhora – insistiu Malasartes, já injuriado com a mulher – se lhe falta alimento, não lhe falta abrigo. Será que seu teto não pode acolher um homem e sua ave por uma única noite fria? Não se nega ajuda a um pobre coitado.

– Terminamos essa conversa por aqui. Não é certo para uma senhora honrada como eu receber um homem nessa hora da noite enquanto meu marido está em viagem.

E a mulher fechou-lhe a porta na cara.

Mas Malasartes pegou a senhora na mentira duas vezes. Pela mesma brecha da janela que havia visto o banquete com vinho e leitão, viu também um homem vistoso dividindo a mesa com ela.

Irritado, Malasartes foi descansar numa árvore perto dali.

Enquanto a noite correu, no entanto, o malandro viu chegar adiantado aquele que parecia ser o dono da casa, o verdadeiro marido da senhora. E quando o homem bateu na porta da frente, Malasartes viu o jantar sendo escondido no armarinho da sala, e o homem vistoso fugindo pela porta dos fundos.

O marido entrou na casa e a cabeça engenhosa do Malasartes continuou a funcionar:

– Não é hoje que vou dormir com fome.

Bateu na porta novamente e dessa vez foi o marido que abriu:

– Meu senhor – pediu Malasartes – será que não há nessa casa um pedaço de pão com água para esse pobre coitado?

– Rapaz – respondeu o marido – eu acabei de chegar de viagem, e minha amada esposa preparou-nos apenas uma sopa de galinha simples. Mas não se pode negar ajuda a um pobre coitado. Entre e divida a mesa com a gente.

Os três se colocaram à mesa e a mulher não escondia o olhar raivoso para o malandro. Malasartes, por sua vez, fingia conversar com o urubu.

– Mas o que é isso? – perguntou o marido – o que você conversa com o urubu? Acaso esse urubu fala?

– Não só fala, meu senhor, como é urubu adivinho.

– Ora, ora. E o que esse urubu anda adivinhando pra você?

– Ele me disse que jura que há vinho e leitão escondido no armarinho desta sala.

O marido deu uma boa risada e, só para continuar a brincadeira, foi conferir. Abriu o armarinho da sala e encontrou o vinho e o leitão.

Assim, naquela noite, o casal e o convidado inusitado dividiram o leitão e o vinho num banquete sobremodo farto.

O marido ficou tão satisfeito em ter conhecido o convidado com um urubu adivinho que o abrigou naquela noite e, no outro dia, antes de se despedir dele, ofereceu uma boa soma de dinheiro pela ave. Pedro Malasartes vendeu o urubu e sumiu dali muito antes do marido descobrir a emboscada em que havia caído.

E foi assim que Pedro Malasartes ludibriou a mulher adúltera e avarenta e seu marido ingênuo.


Confira outras histórias do folclore brasileiro aqui: