028 – O coração quebrantado

“Eu disse: ‘Confessarei as minhas transgressões ao Senhor’, e tu perdoaste a culpa do meu pecado” – Sl. 32.5.



Édipo foi o rei de Tebas, segundo a peça grega de Sófocles. Ele precisou lidar com uma peste sobre seu reino que, segundo Creonte, teria como causa um pecado escondido. Sem o saber, Édipo era este pecador que trazia juízo para sua cidade.

Israel também sofreu por um pecado escondido. Acã havia se apossado de coisas consagradas, trazendo a ira do Senhor sobre todo o povo (Js.7.1).

Quando os israelitas foram derrotados em Ai, Josué perguntou ao Senhor a razão, e Ele respondeu: “Israel pecou. Violaram a aliança que eu lhes ordenei. (…) Por isso os israelitas não conseguem resistir aos inimigos (…). Não estarei mais com vocês, se não destruírem do meio de vocês o que foi consagrado à destruição. Vá, santifique o povo” (Js.7.10-13).

As consequências do pecado são severas para aqueles que abrigam o ímpio, mas são ainda mais atrozes para aquele que permanece com o coração duro. No salmo 32, o salmista descreve um esgotamento total: “Enquanto escondi os meus pecados, o meu corpo definhava de tanto gemer. Pois de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; minha força foi se esgotando como em tempo de seca” (Sl.32.3-4).

O pecador que não se arrepende é como um leproso: contagia com morte aqueles que estão próximos dele ao mesmo tempo em que sua própria carne vai apodrecendo sem que ele mesmo perceba.

Só existe um caminho para a cura do câncer do pecado, é o caminho da confissão arrependida: “Então reconheci diante de ti o meu pecado e não encobri as minhas culpas. Eu disse: ‘Confessarei as minhas transgressões ao Senhor’, e tu perdoaste a culpa do meu pecado” (Sl. 32.5).

O quebrantado reconhece que sua única esperança é a confissão sincera arrependida em nome dAquele que conquistou a graça do perdão na cruz do Calvário – nosso Senhor Jesus. É Ele quem nos dá um coração arrependido e disposto a obedecer; lábios penitentes e reverentes; e mãos apresentadas para a disciplina e para a restituição do dano causado.

Édipo não conhecia esse caminho, e por isso o seu fim foi trágico. Acã conhecia, mas não o usou. Davi, no entanto, trilhou o caminho do arrependimento. Quando o seu Creonte, o profeta Natã, o acusou de pecado, imediatamente o rei o confessou: “‘Pequei contra o Senhor!’ E Natã respondeu: ‘O Senhor perdoou o seu pecado. Você não morrerá” (2Sm.12.13). E Davi orou: “Cria em mim um coração puro, ó Deus, e renova dentro de mim um espírito estável” (Sl.51.10).

Um comentário sobre “028 – O coração quebrantado

  1. Natália Massuia disse:

    Costumamos dizer que quando Jesus morreu na cruz por nós, Ele pagou por todos os nossos pecados (todos mesmo, até aqueles que ainda nem cometemos, certo?). Então, como fica essa questão do arrependimento? Deus “só perdoa se você se arrepender”? O arrependimento seria então uma condição para o perdão? Mas, se os escolhidos já estão todos salvos e perdoados, como conciliar tudo isso?

    Abraço, Aefe! Excelente reflexão!

Comente conosco o que achou desta postagem