017 – Guarde seu corpo

série Vida de estudante

Em muitos contextos, entrar na Universidade não significa a preparação para uma carreira, mas a fase de vida em que se usufrui de um banquete de desejos. Espera-se na Universidade maior liberdade para a experiência sexual, e as festas e os bares estarão lá, postos para conduzir os estudantes nessa direção.

Para um jovem cristão, que procura andar no caminho do Senhor, mesmo que não tenha essa expectativa da Universidade, certamente será severamente tentado nessa área.

Primeiro, porque estará numa fase cujo corpo está pronto e os motores estarão ligados para a sexualidade. Nessa fase, o casamento já deveria ter ocorrido, mas a complexidade de nossa sociedade nos faz adiá-lo e, assim, maltratamos o corpo.

Segundo porque, provavelmente, o estudante morará longe dos olhos vigilantes e ensinadores dos pais. Poderá morar sozinho, ou ficar bastante tempo sozinho enquanto os companheiros de república viajam. A casa vazia será um convite para o pecado.

Por isso, mais do que em outras fases da vida, o estudante deve estar preparado para proteger o seu corpo da impureza sexual.

Mas, por que Deus se importa tanto com nossa sexualidade? Por que preservar o corpo da imoralidade sexual, do sexo casual, de práticas libidinosas com namorado ou namorada?

Primeiro, porque o corpo não é nosso mas é de Deus e é templo do Espírito Santo:

“Fujam da imoralidade sexual. Todos os outros pecados que alguém comete, fora do corpo os comete; mas quem peca sexualmente, peca contra o seu próprio corpo. Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de si mesmos? Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o corpo de vocês” – 1Co.6.18-20.

Nós glorificamos ou desonramos a Deus com o nosso corpo. O nosso corpo não é nosso, somente. Foi comprado por Deus. Quando o sujamos, fazendo com ele aquilo para o que ele não foi criado, ou fora do tempo determinado para isso, então o tornamos impuro. Quando, por outro lado, guardamos puro o nosso corpo, fazendo de nosso corpo aquilo para o qual ele foi feito, e no tempo certo para isso, assim nós glorificamos a Deus.

O segundo motivo do porquê devemos guardar nosso corpo da imoralidade é porque nosso corpo não é nosso, mas de nosso futuro marido ou esposa, e é o jardim fechado deles.

A mulher diz: “Como uma macieira entre as árvores da floresta é o meu amado entre os jovens” Ct.2.3. Ela não quer as árvores do bosque. Ela quer apenas a sua macieira. Já o marido, diz: “Você é um jardim fechado, minha irmã, minha noiva; você é uma nascente fechada, uma fonte selada” Ct.4.12. Nesse jardim, apenas um homem tem direito a entrar e se deleitar. O jardim foi guardado para ele.

O marido e a esposa dizem um ao outro: “Eu sou do meu amado, e o meu amado é meu; ele descansa entre os lírios” Ct.6.3. Eles pertencem um ao outro! Eles querem um relacionamento exclusivo e até a morte:

“Coloque-me como um selo sobre o seu coração; como um selo sobre o seu braço; pois o amor é tão forte quanto a morte, e o ciúme é tão inflexível quanto a sepultura. Suas brasas são fogo ardente, são labaredas do Senhor.
Nem muitas águas conseguem apagar o amor; os rios não conseguem levá-lo na correnteza. Se alguém oferecesse todas as riquezas da sua casa para adquirir o amor, seria totalmente desprezado” – Ct.8.6-7

Deus planejou o sexo para o deleite entre um homem e uma mulher, unidos pelo laço inquebrável do casamento, fortalecido pela fidelidade e amor, guiado por Deus.

Você deve guardar o seu corpo porque ele não é seu. Ele é de Deus e de seu futuro cônjuge. Ele é templo do Espírito Santo e é Jardim Fechado.

No casamento, você receberá o seu banquete, você provará do fruto virginal: a pureza do corpo.

Mas a questão é mais profunda: como conter o vulcão indomável da vontade do corpo?

Primeiro, um ensino do apóstolo Paulo nos ajuda a responder:

“Se não conseguem controlar-se, devem casar-se, pois é melhor casar-se do que ficar ardendo de desejo” 1Co.7.9.

O ensino é duro, mas favorável a Deus. Os pagão é que adiam o casamento por causa de recursos materiais. Os filhos de Deus escolhem a fidelidade, pois sabem que o Senhor acrescentará todas as coisas de que precisam (Mt.6.31-34).

Em segundo lugar, um ensino do apóstolo Pedro:

“Seu divino poder nos deu todas as coisas de que necessitamos para a vida e para a piedade, por meio do pleno conhecimento daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude” 2Pe.1.3.

Não nos falta nada para guardarmos o corpo. Nunca poderemos argumentar que foi inevitável. Nunca poderemos dizer que foi uma tentação mais forte do que podemos suportar.

Aquele que se alimenta da Palavra de Deus, da oração, e da comunhão com a igreja estará suficientemente saciado para guardar o corpo. Os meios de graça nos abastecem com o suficiente para uma vida de santidade.

Foram os meios de graça que auxiliaram Jesus após quarenta dias em jejum, no deserto. Ele venceu a tentação, nós também podemos vencer.

Finalmente, um ensino do apóstolo João:

“Meus filhinhos, escrevo-lhes estas coisas para que vocês não pequem. Se, porém, alguém pecar, temos um intercessor junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo” 1Jo.2.1

João afirma anteriormente que aquele que ama a Deus faz a vontade de Deus. No entanto, é possível que, por um momento, você tenha sido vencido por Satanás e entristeceu o Espírito Santo. E Deus, em sua graça, trouxe-lhe arrependimento. A boa notícia é que em Jesus Cristo há o perdão de pecados. E ele torna puro o nosso caminho.

Em sua graça, ele nos justifica, e purifica o nosso corpo, quando verdadeiramente nos arrependemos de nossos pecados.

Por isso, fujam da imoralidade, porque isso entristece a Deus. Guardem o corpo, pois nosso corpo é de Deus e do seu casamento. Mas, se Satanás o vencer em uma tentação, Jesus é fiel e justo para perdoar os pecados e purificar de toda injustiça!

Como é bom servir a Deus!

Dica de livro

Comente conosco o que achou desta postagem